Comportamento

Ela descobriu a gravidez 19 dias antes do bebê nascer; e não é um caso tão raro

Raquel Derevecki
28/04/2019 13:00
Thumbnail

Os pais Arthur e Lana não tiveram tempo nem de realizar o chá de bebê para o Gabriel, mas estão felizes com a novidade. Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand

Com a menstruação regular, uso de anticoncepcional e sem sofrer inchaços ou enjoos, a analista de negócios Lana Maria Wigand, de 27 anos, não desconfiou que estivesse grávida. Por isso, só descobriu a gestação 19 dias antes de ganhar o bebê. “A ginecologista foi apertando minha barriga e, com aparência de espanto falou ‘mulher, você está muito, mas muito grávida. Sua criança tem pelo menos sete para oito meses”, relatou a moradora de Curitiba, que deu à luz na última terça-feira (23).
Segundo ela, alguns fatores como prisão de ventre e fortes cólicas a fizeram procurar acompanhamento médico antes dessa “consulta assustadora”, mas em nenhum momento lhe falaram da possibilidade de uma gravidez. “O gastroenterologista, por exemplo, me passou soro e laxante em fevereiro. Mas agora eu sei que minhas cólicas eram o pequeno Gabriel se mexendo”, conta, aos risos.
Alguns dias depois dos desconfortos abdominais, a jovem também apresentou sintomas de intoxicação alimentar ao comer frutos do mar. Ela procurou um hospital da capital paranaense, passou horas tomando soro, recebeu alta e voltou para casa. “Também senti fortes dores nas costas e engordei quatro quilos, mas imaginava que fosse pela má postura no meu trabalho e por ter parado de fazer atividades físicas”, comenta a analista de mídia, que costumava correr e praticar musculação.

“Ao invés de juntar todos os pontos, olhei cada coisa como algo diferente. E, como meu ciclo menstrual estava normal, nunca desconfiei”.

Foi apenas na primeira semana de abril que ela decidiu procurar um médico ginecologista ao perceber mudanças na coloração e no aspecto da sua menstruação. “Como o sangue parecia estar coagulado e escuro, fiquei com medo de que fosse câncer nos ovários, assim como ocorreu com minha avó materna”, recorda a curitibana, que também fez um teste de gravidez para desencargo de consciência.
Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand
Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand
O resultado do teste foi positivo e ela contou à obstetra Flávia Martins Vieira Bueno a respeito dos diferentes sintomas que havia tratado com medicamentos nos dois últimos meses. “Esse era o tempo que ela pensava ter de gravidez. Só que, ao medir a barriga dela, vi um útero de 32 centímetros, que é compatível com oito meses gestação”, afirma a médica.
Segundo a especialista, casos como o de Lana ocorrem com mais frequência do que se imagina, principalmente em mulheres com ciclo menstrual irregular ou com poucos dias de pausa entre uma menstruação e outra. “Há pacientes que usam medicações que mexem no fluxo e algumas já ficam meses sem menstruar normalmente, então não desconfiam que estão grávidas”, relata Flávia.
No caso da analista, por exemplo, o curto período de pausa entre as cartelas de anticoncepcional fez com que seu fluxo menstrual fosse reduzido e ela não percebesse diferença durante a gestação.

“O que ela via, na verdade, era um sangramento de escape, muito parecido com os discretos sangramentos que podem ocorrer durante a gravidez”, explica a ginecologista, que orienta as pacientes a prestarem atenção em seu corpo e nas alterações fisiológicas que ocorrem.

Pré-natal “express”

Após essa consulta, Lana agendou encontros semanais com a médica para garantir que o bebê estava bem e começou a pensar em como informar o pai da criança — o analista de mídia Arthur Felipe Wogram, de 27 anos. “Na mesma noite eu contei que estava grávida e falei que a notícia não era só isso”,  recorda a curitibana, que percebeu uma mistura de sentimentos no olhar do companheiro. “Como ele achou que eram gêmeos, já ficou alegre e desesperado ao mesmo tempo. Aí, quando falei que era um bebê só, mas que nasceria no mês seguinte, ele ficou olhando para a estante, completamente sem reação”.
Sem muito tempo para pensar a respeito da novidade, Arthur começou a agir e deu a notícia aos familiares e amigos, que se solidarizaram com o casal e ajudaram na preparação do “enxoval express”. “Ganhamos muita coisa e já conseguimos montar o quarto do neném só com o que recebemos”, comemora Lana, que também organizou dois chás de bebê para o início de maio.

“Só que o Gabriel decidiu chegar antes do previsto, com 38 semanas, e agora os eventos serão ‘Chás Com Bebê’ porque o motivo do encontro estará lá com a gente”, brinca a mamãe, feliz com o novo integrante da família.

Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand
Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand

O parto

Segundo ela, o garoto deu os primeiros sinais de sua chegada no almoço da última terça-feira (23), quando Lana percebeu um líquido escorrendo. “Eu estava almoçando com uma amiga e percebi algo me molhando, mas achei que fosse só um corrimento, que aumenta na última fase da gestação e é normal”.
A curitibana, então, seguiu para uma palestra que apresentaria dicas para um parto saudável, pegou um ônibus no bairro Batel e seguiu até sua residência, no Cristo Rei. “Eu estava começando a limpar a casa quando veio um fluxo muito grande de água, que molhou todo o chão. Era minha bolsa, que já havia estourado na hora do almoço e eu não sabia”, conta a jovem, que seguiu para o hospital.
Lá, os médicos explicaram que ela não tinha dilatação suficiente para realizar o parto normal e que seria necessária uma cesárea. “Eu tinha perdido muito líquido e estava com apenas três centímetros de dilatação. Então, concordei para evitar riscos ao bebê e, em duas horas, o Gabriel já estava entre nós”.
O menino nasceu com 47 centímetros de comprimento e pesando três quilos. “Veio forte, feliz. Ele é a cara do pai e muito calmo. Realmente, um milagre em nossas vidas”, garante.
No entanto, com quatro dias de vida, os pais descobriram que o Gabriel havia fraturado a clavícula durante o parto. A mãe não perdeu o humor e fez um post em suas redes sociais avisando que não poderá estar presente na festa que tem como objetivo arrecadar fraldas e produtos para o “bebê surpresa” (veja abaixo). “Estamos de castigo por um tempo, mas queria aproveitar o textão para agradecer imensamente todo mundo que está mandando energias positivas, mensagens fofas e se preocupando com a gente de alguma maneira”. disse.
Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand
Foto: Arquivo pessoal/Lana Wigand

“Show de fralda”

Além dos “chás com bebê”, que serão realizados para a família e amigos, um show beneficente está marcado para a próxima sexta-feira (3), às 21h, para auxiliar o casal. O evento ocorrerá na Trip Bar —Rua Mateus Leme, 724, Batel — com apresentação das bandas “Oh My Dogs” e “Vibe It Up”.
Os ingressos serão vendidos a partir de R$ 10 e todo o valor será entregue aos pais do Gabriel para compra de fraldas e outros produtos. “Estamos muito felizes por tudo que estão fazendo pelo nosso ‘bebê express’. Obrigada a todos!”, finaliza a mãe.
LEIA MAIS

Enquete

É tempo de festa junina! Nessa época, onde a diversão é garantida?

Newsletter

Receba um resumo dos nossos conteúdos no seu e-mail!