Comportamento

Pai convence filho a dar adeus à chupeta de um jeito lúdico e fofo

Redação
26/04/2017 12:45
Thumbnail

Adeus à chupeta sem traumas. Foto: reprodução.

Dar adeus à chupeta pode ser uma etapa difícil para a criança, mas Scott Burnett, pai de Blake, transformou o processo em um momento muito especial. Após uma conversa amorosa com o filho, que à época tinha 2 anos, os dois se despediram de Binky, a chupeta, com sorrisos e muita alegria.
O vídeo, publicado no YouTube pelo pai norte-americano, mostra Blake preparando-se para a despedida. Após uma última soneca com a chupeta, pai e filho vão até a calçada de casa e amarram Binky a alguns balões coloridos cheios de gás hélio. Mesmo hesitando durante alguns segundos, Blake enfim solta sua companheira de plástico em direção ao céu.
Na publicação, Burnett explicou que o processo, nada traumático, ocorreu de forma simples. Um dia, planejamento e um diálogo criativo foram elementos essenciais para incentivar a criança a dar adeus à chupeta.
Para os especialistas, o passo a passo é justamente esse e, em alguns casos, pode-se recorrer a alguns outros métodos além da conversa. “Estabeleça um sistema de recompensa até a completa eliminação do hábito”, diz o ortodontista Alexandre Moro. Para a ortodontista Renata Garcia Pena, do Instituto de Ortodontia de Curitiba, fazer um furo no plástico da chupeta faz com que ela “perca a graça”.
A retirada da chupeta deve ser feita antes dos três anos de idade. Após essa fase, podem surgir alguns problemas relacionados à dentição, como alterações na arcada dentária (mordida cruzada ou aprofundamento do palato) e dificuldades na deglutição, fala e respiração. Caso o uso seja moderado até essa idade, quando surge a primeira dentição, os danos são reversíveis. Alguns outros problemas, porém, são difundidos como se fossem verídicos, mas nem sempre são. Confira a seguir alguns mitos e verdades sobre o uso da chupeta:
Entorta os dentes
Após os três anos, quando ocorre a transformação óssea dentária, pode, sim,  acontecer uma deformação.
Previne a morte súbita
Estudos preliminares indicam que recém-nascidos que a usam têm mais facilidade para despertar e respirar pela boca.
Dá cárie
Não. O que causa cáries é o açúcar/mel que os pais costumam passar na chupeta para acalmar a criança.
Influencia o desmame
Sim, a criança se acostuma a procurar menos o peito e, ao mamar, suga errado o bico do seio.
Abandoná-la causa traumas
Não haverá traumas se a retirada for realizada gradativamente.
Dificulta a comunicação
As crianças que passam muito tempo com a chupeta acabam se expressando menos.
Mamar no peito
Mamar no peito ajuda a desenvolver a mandíbula e ossos da face, músculos da mastigação e da oclusão dentária e da respiração, diz Orlando Tanaka, ortodontista e professor da PUCPR.

Enquete

É tempo de festa junina! Nessa época, onde a diversão é garantida?

Newsletter

Receba um resumo dos nossos conteúdos no seu e-mail!